domingo, novembro 14, 2004

14 Novembro , 4:00

Se ñ é lindo, era mesmo isto q me faltava para preencher o vácuo. Sempre tive um problema com discussões por isso resolvi escrever, melhor do que isso agora posso falar sozinho.

Hoje vi aquele filme do woody allen Anything Else, ainda ñ tinha sido bombardeado pelas criticas,
virgem q nem um cordeirinho recebi o filme de braços abertos numa vaga esperança de ser bombardeado por algum humor físico, não é q aprecie muito o woody mas olhem para o makako do american pie, e nunca pensei que lhe dessem dialogo para ler. Bem a ideia manteve-se quando olhei para o start screen do dvd não podia estar tão longe da verdade, mas a verdade bateu-me ainda mais fundo quando a minha companheira cineasta adormeceu passado apenas poucos minutos, não lhe posso apontar muitos dedos cada um é como é, bem eu num certo esforço mantive-me firme não era a queda dos meus companheiros que me ia abalar. E continuou não vou afirmar que o filme era eterno pq ate me manteve preso numa certa graça, digamos que durante o filme me entreti a montar um ovo kinder, mas o que mais me atingiu que nem peso no peito foi o facto daquela personagem estéril (que o gajo do american pie personalizava) era completamente fraco e por isso tinha-se transformado no poleiro de toda a gente, apenas um velhinho de 60 anos (woody para os amigos) se tinha “dedicado” a salva-lo das pessoas que lhe parasitavam o sangue, e assim decorreu o filme num carrocel de concelhos vãos do velhinho sábio para o jovem inconsciente e abusado. Sinceramente já sentia-me tão revoltado que naquele momento se uma velhinha me pedisse para atravessar a rua tinha-a mandado bugiar, e o pior é q aquele filme acabou num nada tão aberto sem que a personagem principal se mostrasse evoluída o suficiente para poder sobreviver outra vez ao mundo de onde tinha saído. Pode ser a minha jovem cabeça mas não gosto da ideia de um filme onde não exista a ideia de mudança, para melhor ou para pior, pode ser muito diferente da realidade mas é ficção e na ficção podemos adorar aquilo q não vemos nos nossos dias.

Pois agora que falamos fora da ficção quantas historias de miúdas dos 10 aos 60 não existem, sobre o facto de terem namorados ou maridos que abusam delas física e mentalmente até ao limite sem que elas ganhem alguma forca para os deixarem de vez, porra que merda de filme é demasiado real para os nossos problemas como se não bastasse enfrenta-los de dia tb os temos de enfrentar durante os nossos sonhos



Bem bom filme mas entre os bons filmes leva 5/10
(Qq afronta a língua portuguesa é bem aceite no mail privateRyan@sapo.pt)